Nossa percepção de mundo e evangelho

De Êutico a Amy. Uma geração na Janela

Que dia é hoje?

Julho 2011
S T Q Q S S D
« Jun   Ago »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

No primeiro dia da semana reunimo-nos para partir o pão, e Paulo falou ao povo. Pretendendo partir no dia seguinte, continuou falando até à meia-noite. Havia muitas candeias no piso superior onde estávamos reunidos. Um jovem chamado Êutico, que estava sentado numa janela, adormeceu profundamente durante o longo discurso de Paulo. Vencido pelo sono, caiu do terceiro andar. Quando o levantaram, estava morto. Paulo desceu, inclinou-se sobre o rapaz e o abraçou, dizendo: “Não fiquem alarmados! Ele está vivo! “Então subiu novamente, partiu o pão e comeu. Depois, continuou a falar até o amanhecer e foi embora. Levaram vivo o jovem, o que muito os consolou. (Atos 20.7-12 NVI)

Morreu ontem (23 de julho de 2011) AmyWinehouse, 27 anos, cantora inglesa que ficará eternizada por sua voz marcante e por seus constantes envolvimentos e escândalos com álcool, drogas e agressões.

Neste instante você já deve estar se perguntando: “o que isso tem a ver com a introdução de um sermão de domingo pela manhã?”. O que a morte dessa menina tem a ver com a igreja e com serviço cristão? Como aprender de Jesus falando da morte de Amy e de tantos outros jovens na mesma situação?.

Confesso que quanto li no Twitter a notícia de sua morte eu me fiz as mesmas perguntas. Perguntei, em meus pensamentos: “Deus vida da Amy e de tantos outros jovens poderiam ser diferente, ter outro fim?”. Comecei a pesquisar então sobre outros casos parecidos com os de Amy e vi que ela se juntou a outras histórias trágicas muito semelhantes como Jimi Hendrix, Jim Morrison e Kurt Cobain, outros ídolos da música pop, graças a uma triste coincidência: todos morreram com 27 anos. Mas o problema aqui não é a idade, nem o fato de todos eles serem “popstar”. Devemos perceber o que está refletindo nesses casos, e em tantos outros de anônimos (gente com o mesmo valor, porém que nunca ficaremos sabendo) que tiveram suas vidas roubadas por Satanás, é o que todas essas mortes têm a nos dizer quanto cristãos e que muitos de nós não queremos ouvir.

Depois de ver todos esses casos, minha mente efervescia com diversas perguntas: “o que eu como igreja tenho feito pelos jovens da minha geração?”, “tenho tentado entender seus clamores ou julgado todos eles impuros e perdidos?”, “será que estou falando das Verdades de Deus para esta geração?”

É tentando responder a esses questionamentos que estaremos falando hoje com vocês.

Nosso tempo e a Igreja

Temos vivido na modernidade/pós-modernidade com um modo de vida avassalador e agora, como muitos já perceberam, perigosamente destrutivo. Nossa forma de pensar e viver nos leva a uma degradação total seja da nossa personalidade, ambiente, relacionamentos isso tudo em busca da satisfação pessoal, do prazer e da tão sonhada liberdade. Podemos hoje viver da forma que sempre quisemos e “ninguém tem nada a ver com isso, sou livre para viver e pensar da forma que bem entender”. Vivemos em uma geração totalmente espiritualizada, mas completamente distante de Deus. Nossos jovens em suas canções, festas, noitadas e em seus múltiplos relacionamentos sexuais, sejam eles hetero ou homosexuais, estão na verdade querendo justificar e mostrar que suas vidas não dependem de Deus. Nossa geração tenta, a todo instante, bancar sua própria existência. Porém toda essa busca desenfreada só conduz nossos jovens a finais cada vez mais trágicos e a usar drogas cada vez mais fortes e a relacionamentos mais frágeis e voláteis. Li um livro a alguns anos do Marty Beckerman que define nossa geração com T.E.E.N (Transei E Esqueci o Nome) e esse é o título do livro, e essa é uma triste realidade. Só que mesmo com toda essa “liberdade” as perguntas não são respondidas e o vazio ao invés de ser preenchido só aumenta. É como se nossa geração bebesse uma água que não mata a sede. Esse é um pequeno retrato da juventude de nosso tempo.

O interessante é que como servo de Cristo, temos respostas a todos estes questionamentos da nossa geração. Porém, temos uma grande tendência em nós, de ao invés de tentar ouvir o que o Espírito de Deus nos direciona a fazer por esses jovens e ouvir o que essa geração está clamando, nós estamos na verdade, é olhando de forma insensível e indiferente e muitas vezes falamos “só podia dar nisso”, “agora os pais desse rapaz vão descansar” e coisas do tipo. Tentamos julgar a vida desses meninos e meninas rotulando-os como se fossemos melhores do que qualquer um deles. Fazemos isso, mas não ouvimos.

Logo vemos toda uma geração sem rumo e direção, como cegos sem guia “como ovelhas sem Pastor” e como veremos “sentados na janela”.

De Eutico a Amy

Desde os tempos de Paulo nossos jovens estão sentados na janela e sendo vencidos pelo sono. Muitos conseguem despertar antes de caírem do terceiro andar, porém muitos caem e morrem como temos visto em nossos dias com retratamos no quadro que apresentamos de nossa geração.

Paulo, porém nos mostra como devemos proceder enquanto “imitadores de Cristo”. Ele nos ensina nesse acontecimento três atitudes de servos que devemos ter para com os jovens de nosso tempo.

Primeiro Paulo estava em meio a um sermão. Ele estava em Trôade de passagem e estava pregando o dia inteiro quando o jovem caiu da janela do terceiro andar. Quando Paulo soube do ocorrido ele para seu sermão e desce até o “jovem morto”. Paulo não se manteve indiferente como temos feito. Paulo não ficou preocupado com todos os outros ouvintes que estavam ali o ouvindo. Ele viu que havia um jovem em perigo. Ele também não julgou o rapaz. Muito menos disparou uma sentença do tipo “ele teve o fim que procurou”. Pelo contrário. Paulo parou a mensagem para atender a necessidade e o “clamor” por vida de Eutico. Paulo desceu de sua posição de destaque e se igualou ao rapaz.

Segundo Paulo se inclinou junto à Êutico para que a vida deste pudesse ser restaurada. Paulo não ficou distante ou em pé do lado do rapaz. Imagino Paulo se curvando em direção a Êutico, colocando seus ouvidos próximo ao peito do rapaz e tentando ouvir sua respiração e batimento cardíaco. Não escutou nada. Poderia ter desistido do menino. Declarado realmente sua morte. Ninguém acusaria Paulo de negligencia ou insensibilidade. Lembre-se ele parou sua mensagem e foi ver o rapaz.

Muitas vezes somos tomados por esse sentimento em relação a diversos jovens. Declaramo-los como caso perdido e os entregamos literalmente na mão do mundo. Escutei certa vez numa pregação uma frase que fazia referência de que a “igreja é o único exército que abandona seus feridos”. Nós nos achamos justos, santos ou puros demais para nos envolvermos com os feridos e assim os abandonamos, declarando suas mortes. Mas Paulo nos ensina a não desistirmos destes feridos ele vai além.

Paulo vendo o estado de Êutico, não desiste dele e o abraça. O abraça e fala: “Não fiquem alarmados! Ele está vivo!”. Como Paulo, devemos abraçar os jovens de nossa geração. Desta forma estaremos caminhando com eles, compreendendo e ouvindo seus clamores. Não podemos em hipótese nenhuma desistir de nenhum dos jovens. Temos que ter em nossa mente que cada jovem é 100%. Nosso Salvador, Jesus Cristo, morreu por cada um indistintamente, logo cada vida, cada jovem, tem um valor inestimável do sacrifício santo, puro e perfeito de Jesus. Logo, temos que abraçar cada um destes e vê-lo com o valor que ele tem, o de ser único e alvo do sacrifício de Jesus na cruz.

Servindo aos Jovens do nosso tempo

Aprendemos com Paulo que devemos servir aos jovens de nossa geração. Como servos de Cristo e seus imitadores, devemos ir de encontro à necessidade de cada um deles. Responder suas perguntas e anseios alicerçados na Palavra da Verdade. Não podemos nunca (isso é inegociável) nos conformar com padrões deste tempo (Romanos 12.2) a fim de tentarmos fazer a mensagem ficar mais palatável e agradável aos nossos jovens. Devemos sim, confrontar seus erros (que muitas vezes também são os nossos) e apresentá-los Cristo que nos oferece a verdadeira liberdade, pois em Jesus Cristo, e somente nEle, podemos ter “vida e vida em abundancia” (João 10.10).

Na verdade Paulo, mais uma vez reflete Cristo em sua vida. Paulo, semelhante ao Mestre, desce de seu lugar, compreende sua necessidade e abraça o perdido, restaurando-lhe a vida.

Que cada um de nós, aprendamos com Paulo, e sermos “imitadores de Cristo”, refletindo em nossas vidas, a cada momento, o evangelho genuíno, e desta forma, poder alcançar cada jovem que seja nos dada a oportunidade de descer, nos inclinar e abraçá-los. Que possamos resgatar cada Êutico e Amy que Jesus nos confiar para Sua glória e louvor de Seu Santo Nome.

Anúncios

Tagged as: , , , , ,

7 Respostas »

  1. Graça e Paz!

    Meu nome é Ailton, administrador do site extremosulgospel e peço permissão para postar esta maravilhosa REFLEXÃO, que o Senhor Jesus Cristo continue iluminando o seu ministério com os jovens.

    Em Cristo

    Ailton
    http://www.extremosulgospel.com.br

    • Que a Graça de Cristo esteja sobre nós.

      Irmão Ailton, pode ficar a vontade e usar mesmo. Qualquer material postado no blog é para ser compartilhado mesmo.
      Só pedimos para citar os créditos (colocando a fonte) para mantermos a ética.
      Quanto ao uso dos materiais, repito novamente, recebemos de graça de Deus, de graça compartilhamos.

      Precisando de qualquer coisa amado, é só nos contactar.

      Em Cristo.

    • Ailton,
      Graç, paz e bem sobre nossas vidas.

      Temos alguns textos novos lá no site.
      Pode avaliar o material e se gostar replicar novamente outro texto.

      Manda para eu colocar no nosso blog um banner do seu site e me indica um texto seu para que eu possa postar aqui também.

      Abraço

  2. Meus parabéns Deivis você sempre consegue dizer o que precisa sem complicar as coisas!!

  3. lindo,temos que pedir a Cristo que tenhamos sempre o caráter dele,e nos colocarmos no lugar do próximo.um abraço e paz

    • Bom dia Alba.
      Graça, paz e bem da parte do Eterno esteja sobre nós.

      Obrigado por visitar nosso blog.

      Esta reflexão sempre fala muito em meu coração.
      Tenho sempre pregado e tentado viver neste jeito, com proximidade e percebendo a
      realidade daqueles a quem Deus tem nos chamado para servir.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Postagens Radicias

Indico Mesmo





%d bloggers like this: